Situada na costa sul da ilha, a Ponta do Sol é atualmente sede de concelho e tem cerca de 8.200 habitantes na sua área de 43,3 Km².


Este é considerado o concelho mais quente da ilha e onde o sol brilha durante maior número de horas.
A atividade económica assenta no sector primário, onde se destaca a agricultura, com predominância da produção de cana-de-açúcar e banana; a horticultura e a floricultura. Destaca-se ainda o comércio tradicional e a hotelaria. No concelho existe uma empresa de exportação de plantas.
Neste concelho situa-se o Paul da Serra, que se distingue por ser o único planalto existente na ilha da Madeira e por estar a uma altitude de 1500 m. Este local tem caraterísticas naturais únicas devido à sua extensão e localização, como núcleos de vegetação indígena, espécies faunísticas e aves migradoras. No Paul da Serra existem turbinas eólicas que produzem energia elétrica de forma não poluente.
Nesta localidade pode ainda visitar o cais da Ponta do Sol, a Lagoa do Lugar de Baixo e o Centro de Floricultura Subtropical.
Este município divide-se nas freguesias da Ponta de Sol, Canhas e Madalena do Mar.

Freguesia da Ponta do Sol

A Ponta do Sol deve o seu nome à presença de uma ponta de rocha que entra pelo mar e na qual se refletem os raios solares.
A nível histórico-cultural aqui se encontra a igreja de Nossa Senhora da Luz, valiosa pela talha e pelas imagens, e o Palacete do Lugar de Baixo, que apresenta um estilo romântico.
A vila da Ponta do Sol tem sido alvo de um grande desenvolvimento nos últimos anos, tendo-se construido unidades hoteleiras de grande qualidade que refletem a aposta do município no turismo.


Freguesia dos Canhas

A freguesia dos Canhas deve o seu nome a um dos seus primeiros povoadores, João de Canha, que era escudeiro de D. Diogo, Duque de Viseu.
A atividade económica dos Canhas assenta na agricultura. Existem ainda algumas indústrias como a de blocos, cimento e serração de madeiras.

A freguesia é conhecida pelos seus interessantes monumentos a Santa Teresa do Menino Jesus, a Via Sacra e, na estrada que leva ao Paul da Serra, o Senhor da Montanha e Nossa Senhora da Serra. Aqui se situa o Relógio de Água, construído em 1890, que servia para regular a repartição das águas.

Destaca-se também por ser uma das portas de acesso ao Paul da Serra, o grande e único planalto da ilha da Madeira. Um local que se caracteriza por ser o principal recurso hídrico que alimenta as ribeiras e que dá origem aos mais ricos caudais de água, utilizados na irrigação dos campos.


Freguesia da Madalena do Mar

Com cerca de 700 habitantes, a freguesia da Madalena do Mar é conhecida pelo seu caraterístico bairro de pescadores, situado na zona mais perto da Ponta do Sol. Diz-se que a freguesia deve o seu nome a uma fazenda povoada que havia no local, desde os primeiros tempos da colonização, com uma capela dedicada a Santa Maria Madalena.

Durante muito tempo cultivou-se a cana sacarina em grande escala e criou-se um engenho para o fabrico de açúcar, que tornou o lugar num importante centro produtor de açúcar. Atualmente os terrenos continuam a ser muito férteis para as chamadas culturas ricas, sendo também notável a produção da banana destinada à exportação. A atividade económica desta freguesia assenta no setor primário, como a pesca e agricultura, especificamente a produção de banana.

Nesta freguesia encontra-se a Igreja de Santa Maria Madalena, construída no local onde havia originalmente uma ermida, mandada edificar por Henrique Alemão, o Cavaleiro de Santa Catarina que, segundo a lenda, seria Ladislau IV, o rei da Polónia.

O sítio dos Moledos destaca-se por possuir uma espécie de Ensaião (Airchryson dumosum) que se pensa existir exclusivamente nesta área, entre várias outras espécies, em especial a avifauna. A partir deste sítio pode admirar a paisagem panorâmica da freguesia da Madalena do Mar, de onde podemos vislumbrar a igreja, as casas típicas, a vegetação verdejante e a beira-mar.